quinta-feira, 29 de outubro de 2009

TRABALHANDO COM AS CRIANÇAS NA EVANGELIZAÇÃO

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - quinta-feira, 29 de outubro de 2009 TRABALHANDO COM AS CRIANÇAS NA EVANGELIZAÇÃO


Nós somos as florinhas do Jardim de Jesus que é a Terra.

Somos espíritos em busca do progresso.Foi por isso que viemos à Terra nesta encarnação.

Queremos aprender a viver e conviver, pois somos espíritos eternos

Aprendemos com os nossos pais e com nossos tios e tias da Evangelização a amar a Deus, nosso Pai, a Jesus Nosso Mestre e a agradecer a Deus o conhecimento que o Espiritismo nos dá.

Aprendemos que devemos ser bons, obedientes, educados, para, no futuro, quando crescermos, seremos homens de bem.

Sabem!!!! Aprendemos muitas coisas através da música.

É tão bom!!!!

Querem ver e ouvir um pouquinho do que estamos aprendendo na evangelização

GENTILMENTE


Obrigado

Com Licença

Por Favor

Desculpe-me

Vocês sabiam que essas palavrinhas são mágicas?

ENTRA A MÚSICA

GENTILMENTE

Obrigado, para agradecer,
Com licença se quero passar
Por favor, digo sempre para pedir
E desculpe-me, pra me desculpar
Eu pra você, Você pra mim
E toda gente é mais feliz
Se sempre se lembrar de dizer...
Obrigado

PARA A MAMÃE

A mamãe é a pessoa mais importante que o Bom Deus já nos deu. Quem mais entende de Amor, em qualquer lugar do mundo.

Entra a música

É A MAMÃE!

FÁTIMA MOURA

É ela, quem guia os meus passos,
Me ama, me faz ver além,
Sorrindo estende seus braços,
Me mostra o caminho do bem.

É a mamãe, doce amor,
Na estrada do bem me
conduz,
É a mamãe, doce amor,
Que enfeita minha vida de
luz!

Enquanto sou pequenininho,
Maiorzinho, bem grande até,
Mamãe tudo vê, tudo sabe,
É DEMAIS ESSA GRANDE MULHER

VIGILÂNCIA
Todo mundo tem os seus tropeços na estrada da vida.Porém o importante é procurar aprender com os erros.Se esforçar bastante para não repeti-los.

ENTRA MÚSICA

Caminhando pela vida
Machuquei o meu pezinho
Numa pedra atrevida
Que estava no caminho
Serviu-me a lição
Passarei a vigiar
Sozinho ou com o irmão
Não irei mais tropeçar(bis)

A GINÁSTICA

Vem cá,vem cá,vem cá
Você mesmo, chega de moleza
Vamos fazer ginástica
Vamos trabalhar
Quero ver você se movimentar
Acertar tudo direitinho
Olha a ginástica aí, gente.

ENTRA A MÚSICA

A GINÁSTICA

letra e música: Vilma de Macedo Souza

Senta, levanta, torna a sentar
Olha para a direita
Outra vez levantar
Mãos na cintura, cabeça para trás
Mão esquerda na nuca
Balançando devagar
Palminhas 1, 2, 3
Bem forte outra vez
E agora vamos pular
Para recomeçar, então
Braços para cima
Pés marchando no chão
Abaixa a mão direita e coloca no coração
Mão esquerda para baixo, pra tampar o nariz
Olhinhos piscando
Gargalhada feliz
Estalando os dedinhos assim
Que beleza, vamos lá
Pra deixar de moleza
Senta, levanta, fica em pé
Um passo para a frente
Um passo de ré
Pernas bem retas
Joelhos dobrados
Encolhendo a barriga com os
Ombros levantados
Agora uma corridinha
Ai ....
Pode sentar porque você agora
Você merece descançar.

COLABORAÇÃO

ENTRA A MÚSICA

COLABORAÇÃO

letra e música: Vilma de Macedo Souza

Cada um faz um pouquinho
Logo tudo fica pronto
Cada um dá um tiquinho
Logo o pouco fica tanto
Cada um limpa um bocado
Logo está tudo asseado
Um estende aooutro a mão
Como amigos, como irmãos

O que se faz com colaboração é assim: Fica fácil, divertido e não pesa prá ninguém.

SORRIA

Estamos encerrando nossa participação

Sorria, minha gente.

Essa música reservamos para todos vocês.

Sorriam

SORRIA
letra e música: Vilma de Macedo Souza

Sorria, sorria
Você fica muito mais bonito assim
Fazendo o bem
Sorrindo de alegria
Só com Jesus a alegria não tem fim.

FIM

CONSTRUINDO UMA PRECE COLETIVA

Objetivos: Construção de uma prece coletiva,que realmente reúna os sentimentos de todos.Como realizarPra começar, pode-se estar sentado em círculo ou ao redor de uma mesa.O evangelizador explica que a prece será feita por todos os presentes,cada um oferecendo um pedacinho, onde ponha o seu melhor sentimento.Pedir para que cada um fale alto, de modo a ser ouvido por todos.Alguém inicia a prece, dizendo uma ou duas frases. Quem estiver sentado à direita continuará de ondeo outro parou, e assim, sucessivamente,até que a palavra retorne a quem começou.Sugestão: se houver poucas pessoas, pode se combinar que o "jogo"terá duas ou três voltas, antes de terminar.

LEI DE DESTRUIÇÃO

TEMA: DESTRUIÇÃO NECESSÁRIA E ABUSIVA

Objetivos Especificos: Levar a criança a entender que a lei de destruição é uma lei de Deus.
Recursos Didáticos: Gravuras
Mostrando a natureza se transformando
Ex: tempestade, vulcão, furacão

Mostrando a natureza destruída desnecessariamente pelo homem
Ex: os elefantes, pássaros,,jacarés,baleia,etc.
Introdução: Pedir para que as crianças identifiquem
Onde está a destruição abusiva?
Onde está a destruição necessária?

Desenvolvimeno: Conversação
Falar da destruição que acontece na natureza e que faz parte da evolução
Exemplos: Os animais destruindo-se por necessidade de sobrevivência.As tempestades, os vendavais que renovam a atmosfera.
Destruição abusiva: - toda aquela que mata sem necessidade, que derruba árvores e que leva o homem a destruir por ganância, egoísmo, maldade,falta de amor a Deus.

FIXAÇÃO: A História "O Pardal"



Quando eu tinha onze anos, um amigo de meu pai deu-me de presente uma carabina de brinquedo. Papai agradeceu-lhe polidamente, porém sem nenhum entusiasmo. Deixei-os e corri ao pomar.

Minha primeira vítima foi um pardal. Lembro-me bem de que, a despeito do orgulho que senti por ser tão bom atirador, tive a vaga sensação de culpa, ao ver cair o passarinho.

Minha insegurança levou-me a procurar meu pai. Encontrei-o ocupado em tirar, de uma teia de aranha, os insetos e moscas que ali se haviam aprisionado, colocando-os depois em uma caixinha de fósforos.

- Para que isso, papai? perguntei.

- Venha comigo e eu lhe mostro.

Levando -me ao jardim, mostrou-me, então, entre a espessa folhagem de uma arbusto, um ninho onde se achavam quatro pássaros implumes. Abrindo a caixa com cautela, foi metendo as moscas e os insetos nos biquinhos abertos. Compreendi o motivo e ofereci-me para ajudá-lo.

- Não é coisa fácil! - disse ele.

Passei a tarde procurando insetos e remexendo a terra, a ver se encontrava vermes. De noite, papai agasalhou os passarinhos com um pouco de algodão.

Na manhã seguin-te veio ter ao meu quarto, quando eu me estava vestindo. Trazia nas mãos um dos pequeninos pássaros, já morto.

- Morreu durante a noite! -, explicou ao mostrá-lo. - Vamos fazer tudo para salvar os outros.

Terminado o jantar, àquela noite, encon-tramos uma segunda vítima do frio. Alguns dias depois, estando eu a tomar o café da manhã, entrou meu pai, trazendo o terceiro filhote, igualmente inanimado.

- O último, porém, parece forte e resistente como poucos, observou sorrindo. Creio mesmo que, em breve, ensaiará as asas. Mas o pobre orfãozinho, acrescentou, há de passar por maus momentos, pois não tem quem lhe ensine os segredos do vôo e, embora não pareça, talvez esteja um pouco fraco. Os pássaros assim, novinhos, precisam receber alimento a todos os instantes e nós não chegamos a alimentá-los em tempo, como necessitavam.

Fomos encontrá-lo, um dia, o pequeno sobrevivente, a baloiçar-se amedrontado sobre um galho. O fato de que aquele passarinho precisava voar tornara-se, aos meus olhos, de suprema importância. Foi quando o vimos, de repente, soerguer-se no espaço. Bateu asas quanto pôde, mas em vão; um segundo depois caía sobre a relva. Agitou-se num tremor e... morreu.

- Pobrezinho, não teve sorte! -, observou papai.

Sentindo-me tomado de remorsos, exclamei por fim, sem mais poder conter o que mais ia na alma:

- Papai, a culpa é minha! Fui eu que matei a mãe deles!...

- Eu sei, meu filho, vi você fazer aquilo. Não se aflija, são raros os meninos que não fazem o mesmo. Quis apenas mostrar-lhe que, ferindo alguém, ferimos, ao mesmo tempo, outras pessoas e até mesmo as que mais amamos ou as que mais nos amam. E é, não raro, maior o mal que assim fazemos a nós mesmos.

Texto extraído do livro: "E, para o resto da Vida..." de Wallace Leal Rodrigues

LEI DE CONSERVAÇÃO

TEMA: CUIDADO COM O NOSSO CORPO

Objetivo Específico: Levar a criança a entender a lei de conservação como lei de Deus.
Recursos Didáticos: sabonete, toalha,baciacom água,escova, creme dental.
Introdução: Dramatização "O Irmão Porco"
Desenvolvimento:conversação sobre a dramatização.
Falar da importância da nossa aparência bem arrumada, isto não é roupas novas e nem sapatos caros, e sim roupas limpas, cabelos penteados, dentes escovados, banhos diários.
Fixação: Lavar a mão da criança numa bacia e falar dos micróbios.Mostrar que a mão que parecia limpa, deixou a água suja.

LEI DE CONSERVAÇÃO

TEMA: Cuidado com os objetos
Objetivos Específicos: Levar a criança a entender que todos nós somos responsáveis pela conservação de tudo que nos cerca, e que nos é útil, principalmente os bens públicos
Recursos Didáticos:Cartazes, primeiro de uma casa limpa e bem organizada, segundo de uma casa suja, objetos fora do lugar.
Introdução: Perguntar
-Qual das duas vocês preferem?
-Em qual das duas você se sentirá melhor?
Desenvolvimento: Conversação
Motivando a criança à organização dos próprios materiais escolares, brinquedos. Ajudar no lar- varrer, cuidardas plantas. Colocar o lixo na lixeira.
Na rua- cuidar dos bens públicos
Fixação:Ensinar atividades de cortesia.
Deixar as crianças contar fatos que ela já presenciou ou viu depois que foram destruídos, ficando impossibilitados de uso.

LEI DE CONSERVAÇÃO

TEMA:Conservação do Espírito

Objetivos Específicos:Levar a criança a entender que somos responsáveis por nós mesmos.
Recursos Didáticos:Cartazes com frases:

QUEM É RESPONSÁVEL PELAS SUAS ATITUDES?
QUEM É RESPONSÁVEL POR VOCÊ?

Introdução:Pedir que cada criança fale sobre as frases
Desenvolvimento: Conversação
Desde a infância temos que aprender a ter responsabilidade
Falar di livre Arbítrio
E como eles vão ser aceitos na sociedade;
Não basta ter dinheiro e sim ter moral
Ter moral- desenvolver virtudes, ser bom, honesto.
Falar que quando jovens, podem não ser bem aceitos no emprego por causa da má educação.
Fixação:História "A Tábua"

LIVRE ARBÍTRIO:COMENTAR O QUE É.
Nos é dado por Deus quando somos criados espíritos,
Dizer que livre arbítrio é a nossa liberdade de agir no bem ou nomal só que somos responsáveis pelos nossos atos.

LEI DE REPRODUÇÃO

TEMA REPRODUÇÃO DAS PLANTAS

Objetivo Específico: Levar acriança a entender a beleza da natureza, a bênção de Deus para conosco.

Recursos Didáticos:cartazes, mostrando plantas e sementes de várias espécies

Introdução: Perguntas

Vocês conhecem estas sementes?
Do que são?

Desenvolvimento:Falar que cada semente por menor que seja, existe vida latente no seu interior.
O quanto o homem precisa das plantas para viver...
Falar da ecologia e o porque de tantas pessoas estarem preocupadas com a natureza.
E o que acontecerá com o planeta e conosco se continuarmos a destruir sem preservar a natureza. E o respeito que devemos ter para com as plantas.

Fixação:Colagem, montagem de uma flor, de uma árvore, plantar sementes no jardim da escola de evangelização.
Para os menores plantar pequenas sementes em copinho.
História de um feijãozinho(4 a 6 anos)


LEI DE REPRODUÇÃO

TEMA: REPRODUÇÃO DOS ANIMAIS

Objetivo Específico:Levar a criança a entender a reprodução dos animais como Lei de Deus.

Recurso Didático: Gravuras de filhotes da espécie animal
Incentivação: Perguntas

A reprodução dos animais é uma lei de Deus?

Desenvolvimento: Deus permite a reprodução dos seres para a perpetuação da espécie. Falar do cio dos animais e que não existe malícia entre eles.
Exemplo: quando a cachorra na rua, acompanhada por vários cães porque está no cio, não devemos atirar pedras, mas sim olhar com naturidade, pois é a lei de Deus, lei de reprodução agindo.
Falar do nascimento das várias espécies, cachorro, gato, cavalo, passarinho, peixe, etc.Os animais também sentem dor, pois o organismo delesé igual ao nosso. Devemos ter o maior respeito para com o nascimento deles e compreender que eles estão perto de nós para que os protejamos.
Falar do instinto, da proteção que os animais possuem.

Fixação: Deixar que eles contem histórias que sabem sobre a reprodução dos animais.Contar casos de pessoas que maltratam os animais.
Contar casos de pessoas que protegem os animais.

LEI DO TRABALHO

Sempre introduzimos o tema com uma conversa descontraída com as crianças. Perguntamos:
- Quem aqui trabalha?
- O que você faz como trabalho?
- Quem ajuda a mamãe em casa?
- A mamãe e o papai trabalham fazendo o que?
- Eles ganham dinheiro para fazer isso?
- Que tipo de trabalho vocês conhecem?

Legal ir relacionando em um cartaz, a medida que forem falando os tipos de trabalho.

- E quando você crescerem o que serão? Que tipo de trabalho irão fazer?

Em outro cartaz, colocar as profissões que escolheram. Pedir para que desenhem a profissão que escolheram.

- As crianças nessa idade, costumam associar o trabalho com "ganhar dinheiro" ou outro interesse material. Contamos então a Fábula da Cigarra e da Formiga:

[fabula.jpg]


Trabalhando a Fábula
Ao contar a fábula da "Cigarra e a Formiga", aproveite para discutir sobre o trabalho remunerado e o trabalho voluntário. Qual a diferença entre os dois, e que nem sempre ganhamos dinheiro por um trabalho que realizamos. No caso da cigarra, o trabalho dela era cantar para alegrar o dia da formiga. Você pode distribuir entre as crianças figuras de pessoas trabalhando nos dois tipos: remunerado e voluntário. Monte um cartaz para cada tipo de trabalho onde as crianças deverão colar as figuras.

Olhem esta poesia que bonitinha para ser trabalhada também:


Sem Barra

Enquanto a formiga

carrega comida

para o formigueiro,

a cigarra canta,

canta o dia inteiro.

A formiga é só trabalho.

A cigarra é só cantiga.

Mas sem a cantiga da cigarra

que distrai da fadiga

seria uma barra

o trabalho da formiga.

(João Paulo)

http://evangelizandocomamor.blogspot.com/

LEI DE ADORAÇÃO

O PASSE

Objetivos Específicos: Levar a criança a entender o que é o passe.

Recurso Didático: Gravuras de cada momento do passe

Introdução: Perguntar para as crianças o que é passe...

Desenvolvimento: Explicar o mecanismo do passe(transfusão de energias).
Quando o médium impõe as suas mãos sobre as nossas cabeças, quer que tenhamos saúde, paz, coragem.
Na hora do passe, o médium está em prece, em ligação com os bons espíritos que atuam sobre nós, nos ajudando. É muito importante o nosso sil~encio na fila do passe enquanto esperamos.

Fixação: Contar casos de pessoas que se curaram com o passe
Falar também do merecimento
Falar da fé e da água fluidificada.

Sugestões de Histórias: O Cego de Jericó
A Cura da Filha de Jairo

LEI DE ADORAÇÃO

DEUS E JESUS

Objetivos Específicos: Levar a criança a entender a diferença entre Deus e Jesus.
Recurso Didático: Gravuras utilizadas nas aulas I e II, junto com fotos de Jesus e a frase:

"JESUS, PAI E CRIADOR DE TODAS AS COISAS".
Introdução: Perguntas

Com o que vocês discordam?
Tem alguma coisa a acrescentar?
Concordam com o que leram?

Desenvolvimento: Esclarecer a confusão que eles fazem entre Deus e Jesus.
Por que Jesus nasceu no planeta terra?(subsidio- A caminho da Luz- Emmanuel)
Em que época ele viveu?
O que aconteceu com Ele?
Qual foi a sua mensagem?
(subsidio- A Gênese- caracteres da revisão Espírita)
Onde podemos encontrar os ensinamentos dele?
(subsidio- Novo Testamento, Evangelho Segundo o Espiritismo).
Estamos na mesma categoria evolutiva de Jesus?
E o seu Amor para com a humanidade acabou?

Fixação: Análise da Frase: "JESUS VAI VOLTAR".(cabe ao evangelizador esclarecer a criança segundo ensinamentos da Doutrina Espírita).

A EXISTÊNCIA DE DEUS

Dramatização . Pode ser contada ou representada pelos evangelizadores .



Cenário - Uma fazenda no interior do Brasil . Um fazendeiro , vendo o seu empregado , um caipira analfabeto mas muito religioso , ajoelhado rezando próximo a uma fonte , admira-se e sai pensativo . Depois , manda chamar o empregado na sua casa e pergunta-lhe :

Fazendeiro - Por que oras com tanta fé ? Como sabes que Deus existe , se nem menos sabes ler ou escrever ? Quem te ensinou isso ?

Empregado - Patrão , ninguém me ensinou sobre Deus , não ensinamentos como nos livros . Ouvi muito a minha maezinha falar D”Ele quando eu era criança , mas eu conheço a existência D”Ele , que é o Nosso Pai Celeste , pelos Seus sinais .

Fazendeiro ( admirado ) - Como assim ?

Empregado ( humilde ) - Quando o senhor recebe uma carta de uma pessoa que está ausente , como reconhece quem a escreveu ?

Fazendeiro - Pela letra e pela assinatura .

Empregado ( sorrindo ) - E esse seu belo relógio de pulso ? (aponta o relógio do patrão ) . Como o senhor sabe o nome do fabricante ?

Fazendeiro ( olhando para o relógio e mostrando ao empregado o que está escrito no relógio ) - Olhe aqui , está escrito o nome da firma que o fez , Rolex . Este é o fabricante do relógio .

Empregado ( ainda sorridente ) - Quando o senhor ouve passos de animais perto da casa grande , como sabe depois se foi um carneiro , um cavalo ou um boi ?

Fazendeiro ( surpreso ) - Ora , pelos rastros que eles deixam na areia .

O empregado então , sai para a varanda e chama o fazendeiro . Mostra-lhe a Lua , as estrelas brilhantes , as árvores e as montanhas ao redor da fazenda e exclama , respeitosamente :

Empregado - Senhor , aqueles sinais lá em cima e aqui na Terra não podem ser obras dos homens !

Nesse momento , o orgulhoso fazendeiro , emocionado , com os olhos cheios de lágrimas , ajoelhou-se na varanda e começou a orar também .



( adaptado e inspirado do conto : DA EXISTÊNCIA DE DEUS - ditado por Meimei no livro PAI NOSSO - psicografia de Francisco Cândido Xavier

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

MEDIUNIDADE

Base doutrinária para o Evangelizador: Evangelho segundo o Espiritismo; livro dos Médiuns, Crianças no Além cap.4.
Objetivos:
 Perceber a função de intermediário, entender como o médium colabora e interfere na transmissão do pensamento do Espírito.
 Entender que a mediunidade é uma faculdade comum a todas as criaturas (pela intuição, todos nós somos médiuns).
 Compreender que, seja qual for à faculdade mediúnica, ela deve se utilizada para o Bem e em favor do Próximo.

1) Introdução do tema – 5 minutos. O tema será introduzido através de um diálogo com as crianças, utilizando as perguntas:
 Como a gente se comunica com as pessoas? (fala, escrita, rádio, T.V etc.)
 Alguém pode comunicar comigo através do telefone se eu não tiver um? ( a cr/ deverá perceber que poderei utilizar o telefone do vizinho)
 Se eu não falar Alemão, poderei entender uma pessoa que está tentando me dizer algo falado ou escrito, nessa língua?
 Uma pessoa que não enxerga pode receber uma comunicação por escrito e ler? ( lembrar que somente será possível se tiver estudado o sistema braile)
 Uma pessoa que não ouve e não fala pode-se comunicar com outras que têm o mesmo problema? E com pessoas que falam e ouvem?
 Onde estão os mortos ? Eles podem comunicar-se conosco ? Como ?
 Perguntar se acham que "mortos" e "vivos" podem se comunicar. Após conduzi-los à percepção de que sim, perguntar de que forma essa comunicação ocorre.
 Desencarnados e encarnados podem se comunicar através da mediunidade, que é a capacidade que algumas pessoas têm de entrar em contato com o chamado mundo invisível. Essas pessoas são denominadas médiuns.
 Se puderem, como se dá essa comunicação? ( A cada resposta será feito comentários mais específicos)

4) Sensibilização: 10 minutos. Sentar as crianças em círculo e fazer a brincadeira do telefone sem fio, usando frase HOJE VAMOS ESTUDAR A MEDIUNIDADE, POR SER ESTE UM PONTO IMPORTANTE NA DOUTRINA ESPÍRITA. Verificar como ela começou e como terminou, tentar descobrir as variações que ela sofreu no percurso.

5) Desenvolvimento do tema: 17 minutos

 Explicar para as crianças que existe também comunicação do mundo Espiritual com os encarnados.
 Os Espíritos são seres humanos desencarnados. São o que eram quando encarnados: bons ou maus, sérios ou brincalhões, trabalhadores ou preguiçosos.
 Eles têm as suas ocupações como nós temos as nossas
 Muitos deles procuram ajuda para melhorar, progredir.
 Eles têm influência sobre nós, os encarnados agindo através do pensamento e também através de recursos especiais que algumas pessoas têm. Essas pessoas são chamadas de médiuns, o que quer dizer que têm faculdades mais desenvolvidas que outras pessoas. Essa faculdade é chamada de mediunidade. Todos somos médiuns de nascença, pois temos intuição ( explicar o que é ), mas somente alguns têm mediunidade.
 Os Espíritos têm que ter uma maneira, um código ( como o surdo-mudo) para se comunicar com os encarnados. Essa comunicação é feita pelo médium, se ele permitir. Seria como um "aparelho" que permite a comunicação entre dois mundos o material e o espiritual, mundo material poderia ser o que vemos, e o espiritual o que sentimos. Não vemos o amor mas podemos senti-lo. Alguns médiuns transmitem essas mensagens de diferentes modos: alguns ouvem, outros conseguem ver os espíritos, outros escrevem as mensagens, etc. O médium que servir de comunicador tem que ter conhecimento da Doutrina Espírita e moral elevada, pois senão fica sendo brinquedo dos Espíritos brincalhões ou maldosos.
 Se algum Espírito precisa comunicar com uma pessoa com urgência e esta não tem a mediunidade, o espírito procura um médium para ser o canal, ou seja, o intermediário ( como no caso da pessoa que não tem telefone)
- Quais são os tipos de mediunidade? Explicar para as crianças
 Mediunidade audiente - a pessoa ouve o que os espíritos dizem;
 Mediunidade de vidência - o encarnado vê senas do plano espiritual;
 Mediunidade de efeitos físicos - o indivíduo doa fluidos para que ocorram certos fenômenos;
 Mediunidade de cura - a pessoa consegue ajudar na melhoria da saúde de alguém através de passes;
 Mediunidade de psicofonia - o médium empresta seus órgãos da fala para que o espírito se comunique;
 Mediunidade de psicografia - o intermediário (médium quer dizer isso) empresta sua mão para que o desencarnado escreva;
 Mediunidade intuitiva - o encarnado capta idéias de espíritos, mesmo sem vê-los ou ouvi-los. Todos somos médiuns intuitivos, uns mais, outros menos.As pessoas que têm bem desenvolvida alguma das mediunidades acima são chamadas de médium ostensivo.
Perguntar se eles já ouviram falar em algum médium. Explicar que muitas pessoas são médiuns, mas que algumas se destacaram, pelo trabalho desempenhado e principalmente por quem são ou foram. Alguns médiuns notáveis: Francisco Cândido Xavier, que se destacava pela bondade e psicografou mais de trezentos livros; Divaldo Pereira Franco - grande palestrante e psicógrafo de livros muito importantes para o Espiritismo; Yvonne do Amaral Pereira, que psicografou vários livros importantes; José Raul Teixeira, que também dá palestras e psicografa. Claro que há muitos outros de destaque.
6) Mostrar a foto do Chico Xavier e contar a historia: Uma família Feliz usando a carta dentro do envelope.

Uma família Feliz

(Extraído e adaptado do livro “Crianças no além” Psicografia de Chico Xavier pelo espírito Marcos )

Esta é uma família muito feliz. Este é o papai Roberto. Ele é japonês. Esta é a mamãe Elite e este são seus filhinhos: Marcos, João batista e Sheila. No tempo em que aconteceu esta história, Marcos estava com 12 anos, João Batista com 11 anos e Sheila com 7 anos.
Moravam em uma cidade chamada Perus. Como estavam de férias da escola, foram passar suas férias na casa de seus amigos em Ribeirão Preto. Foram de ônibus, felizes e passearam muito. Uma semana depois o Sr. Roberto e Dona elite foram no seu carro buscar os meninos de volta.
Todos muito alegres, de carro pela estrada bonita, ouvindo musica pelo radio do carro. De repente... BUM! Que tristeza para todos... um veraneio saiu da sua mão e bateu no carro do Sr. Roberto jogando – o longe. Marcos, João Batista e Sheila desencarnaram e o Sr. Roberto e D. Elite ficaram vivos.
Papai e mamãe choraram muito. Muitos dias ... não conformavam. Acreditaram que seus filhinhos desapareceram para sempre...
Um dia, depois de muito tempo, D. Elite estava ainda inconformada e seu Roberto muito calado e muito triste ainda, aconteceu uma coisa engraçada: D. Consuelo, vizinha do casal, conversando com D. Elite perguntou para ela se já ouvira falar em Francisco Cândido Xavier, homem muito bondoso que morava em Uberaba e que tinha o poder de ver e ouvir os espíritos das pessoas que morriam.
Muito admirados, D. Elite resolveu então ir procurar o Chico Xavier em Uberaba. Levou a fotografia das três crianças e contou o que aconteceu pedindo ao bondoso amigo que se possível, queria saber notícias de seus filhinhos porque tinha certeza que morrera apenas o corpo de seus filhos, o espírito estaria vivo com certeza.
O bondoso Chico pediu – a que tivesse fé e que esperasse. Jesus é o amigo de todos. Talvez as crianças mandassem um recado. E D. Elite esperou.
Um dia, depois da quarta vez que D. Elite foi a Uberaba, aconteceu que Marcos, o menino desencarnado, mandou através das mãos do bondoso Chico Xavier uma cartinha maravilhosa para a mamãe, enchendo – a de alegria e confortando o coração do papai que vivia tão triste até agora. Veja um pedaço da carta:

“ “Uberaba, 12 dezembro de 1975”“.
Minha querida mamãe, meu querido papai:
Peço que me abençoem.
Mamãe confie em Deus e na vida. Papai não se deixe levar pelo sofrimento. Nos não morremos. Estou do lado de cá como num telefone direto em que o lápis é o fio.
Quando acordei do lado daqui, sentimos seus gritos e lágrimas. A senhora tem razão de chora, mas peço a senhora em nome do João Batista, da Sheilinha e do meu, que não chore mais e pode ter a certeza que vamos nos encontrar todos um dia.
Estamos morando num lugar bonito. É um parque de crianças que vieram para cá como nós: desencarnaram em desastre.
Os meninos maiores ajudam os menores e as enfermeiras são muito bondosas, nos amparam como se fôssemos seus filhinhos. Aqui tem muita gente bondosa dedicada ao bem: a irmã Luiza e o irmão Urulau nos cercam de muito amor quase todos os dias. O tio Diogo e o vovô Joaquim tudo fizeram para nos auxiliar. Nós estamos todos unidos. Tudo que foi nosso, dê as outras crianças daí em nosso nome.
Nas suas preces peça força sempre para nós. Ajudem as pessoas que nas calçadas e nas ruas estão sempre pedindo auxílio.
Não posso continuar. Mamãe abençoe seus filhinhos que contamos com a senhora para ficarmos mais fortes. Em meu nome, do João Batista e da Sheilinha, nosso beijo de respeito e de amor.
O abraço de todo coração do seu filho,
Marcos.

Desde este dia, D. Elite mudou muito. Ficou mais alegre e confiante. Seu Roberto está mais tranqüilo. Agora eles tem a certeza que a morte destrói apenas o corpo. O espírito continua vivo, no mundo espiritual. Nunca morre.

INTERCAMBIO MEDIUNICO



terça-feira, 27 de outubro de 2009

A HISTÓRIA DE UMA ÁRVORE

NUMA NOITE DE MUITO CALOR OUVIU-SE UMA VOZ BAIXINHO QUE VINHA DA TERRA.
ESTOU SECA...MUITO SECA... PRECISO DE ÁGUA...

FIG.1 A NUVEM QUE PASSAVA POR ALI OUVIU E FEZ CAIR GOTINHAS DE ÁGUA DA CHUVA.
- QUE BOM!...AGORA ESTOU FRESQUINHA!...

FIG.2 O VENTO MANSO PASSAVA NESSE MOMENTO E TROUXE UMA SEMENTINHA QUE CAIU NA TERRA.
LOGO A SEMENTINHA BROTOU E JÁ COM DUAS FOLHINHAS, CHORAMINGOU:
-PRECISO DE UM POUQUINHO DE CALOR PARA CRESCER.

FIG.3 PELA MANHÃ O SOL ENVIOU SEUS RAIOZINHOS DE LUZ E CALOR PARA A PLANTINHA-BEBÊ.
E ELA FOI CRESCENDO E BOTANDO FOLHAS, CRESCENDO E BOTANDO FOLHAS...
- AH! UI! ESTES BICHINHOSESTÃO ME DESTRUINDO. SOCORRO!

FIG.4 LOGO APARECEU O SAPO QUE FOI DESENROLANDO SUA LINGUA BEM GRANDE E COMEU TODOS AQUELES BICHINHOS DESTRUIDORES. A PLANTINHA CONTINUOU A CRESCER FELIZ, SEMPRE COM A AJUDA DA TERRA, DA CHUVA, DO SOL E DO SAPO
ERA, AGORA, UMA GRANDE ÁRVORE.

FIG.5 NELA VIERAM MORAR ALGUNS PASSARINHOS, UMA CORUJA E ATÉ UM CASAL DE MORCEGOS.
ELES GOSTAVAM DE COMER OS FRUTINHOS DESSA ÁRVORE.
ENQUANTO COMIAM,AS SEMENTES DESSES FRUTINHOS CAIAM...

FIG.6 E O VENTO MANSO PASSAVA E ESPALHAVA AS SEMENTINHAS PELA TERRA...
E AÍ...COMEÇOU TUDO DE NOVO!

(FONTE: LFC)


Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - terça-feira, 27 de outubro de 2009 A HISTÓRIA DE UMA ÁRVORE

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - terça-feira, 27 de outubro de 2009 A HISTÓRIA DE UMA ÁRVORE

Imagem relacionada

Resultado de imagem para pelos caminhos da evangelização - terça-feira, 27 de outubro de 2009 A HISTÓRIA DE UMA ÁRVORE





ORGANIZAÇÃO

UNIDADE - A SOCIEDADE

FAIXA ETÁRIA- 4 a 7 ANOS

Atividade introdutória

Conversar com as crianças sobre os cuidados que devemos ter com todas  as coisas, sejam elas da natureza, como feitas pelo homem.
EXEMPLOS:
- Plantas: plantar,regar,colocá-las ao sol (muito ou pouco de acordo com o tipo), livrá-las de pragas...
- Material escolar: encapar cadernos e livros não sujar, não rasgar, não dobrar nem arrancar folhas etc.


Atividade Reflexiva

Apresentar um carrinho sem rodas e perguntar:
- Vocês gostariam de brincar com esse brinquedo? Por que? É importante também cuidar dos brimquedos?

Narrar: O CARRINHO AZUL

Avaliar com perguntas a compreensão da história.
- Como Marcelo se sentiu ao receber de presente o carrinho azul?
- Ele soube dar valor a ele?
- O que ele sentiu quando comparou o seu carrinho azul com o vermelho?
- Marcelo mudou de comportamento? O que ele fez?
Organizar as crianças em duplas. Uma delas dirá o nome de um objeto qualquer de casa, peça de roupa etc. A outra criança deverá dizer os cuidados necessários àqueles objeto.

ATIVIDADE CRIATIVA
Dispor caixas de tamanhos diferentes, tesoura,cola, tinta, lápis de cor e sucata em geral (restos de papel de presente, pedaços pequenos de tecido, palitos etc).
Pedir  que as crianças construam objetos, como por exemplo: televisão,carro,boneco...
Pedir que organizem em uma mesa, caixa ou estante, os trabalhos feitos.

O CARRINHO AZUL

Fig.1- Certo dia, seu Antonio entregou um bonito embrulho ao seu neto, dizendo-lhe:
- Marcelo, eu lhe trouxe um presente feito por mim.
O menino ficou muito feliz com a surpresa e, mais ainda, quando abriu o embrulho...
Era um bonito carrinho de madeira pintado de azul.
-Vovô, que lindo! Muito obrigado! - disse Marcelo.
- Que bom que você gostou!  Dei também outro carrinho de madeira para o seu primo Ricardo.
Só que o dele é vermelho. Vocês poderão brincar juntos quando ele vier aqui.
Durante alguns dias Marcelo divertiu-se muito.




Fig.2- Mas sempre que ia para a escola ou fazer alguma outra coisa, esquecia o brinquedo no quintal.
O carrinho foi ficando ao sol e a chuva.



fig.3- Num domingo, Ricardo visitou o primo e trouxe o carrinho vermelho para brincarem juntos.
Mas Marcelo não se lembrava onde tinha deixado o seu carrinho azul.
Procuraram por toda a casa, pelo quintal e nada!



Fig.4- De repente, Xereta, o cachorrinho de Marcelo, passou correndo.
Ele levava alguma coisa azul na boca. Era o carrinho!
Quando o menino pegou finalmente o seu brinquedo... que decepção!
Estava sem rodas, faltando pedaços, descolorido...
Muito diferente do carrinho todo perfeito que o primo ganhou na mesma ocasião. Como foi descuidado!



Fig.5- Marcelo juntou o que havia sobrado do carrinho azul.
Foi ao seu avô e pediu desculpas por ter sido descuidado com o presente.
Seu Antonio ensinou Marcelo a consertar o carrinho, que depois ficou como novo!




Fig.6- O carrinho agora tem um lugar na estante para ficar. Nunca mais Marcelo o perdeu.


segunda-feira, 26 de outubro de 2009

PACIÊNCIA

O CAMINHÃO DA SORTE

Fig. 1- Juvenal é o nome de um caminhão colorido e alegre dirigido pelo motorista Tonho.
Juvenal se sente muito feliz porque ele leva alegria para as crianças.
Todos os dias viaja carregando prêmios sorteados em um programa de televisão.
Logo que acontece o sorteio, lá vai Juvenal com os brinquedos.
Nos bairros e cidades por onde passa ouve-se a música alegre da sua buzina.
Quando Juvenal chega e Tonho entrega os prêmios, acontece aquela festa: são bolas, bonecas, mobílias, bicicletas e até “vídeo-game”, brinquedos que dão tanta alegria a quem recebe.
E Juvenal fica muito contente vendo as crianças felizes.
Fig. 2- Juvenal e Tonho são amigos há muito tempo, quase trinta anos.
Tonho cuida bem do Juvenal: lava-o toda a semana, cuida bem do motor, não deixa faltar o óleo e ainda leva o caminhão, de vez em quando, para fazer a revisão geral, tal como um pai leva ao médico o seu filho para ver se tudo vai bem.
Mas, numa manhã em que Juvenal estava carregado de prêmios, pronto para sair em direção a uma cidadezinha não muito distante, o arranque do motor não pegava: ram... ram... ram... e nada de brom...brom...brom!...
Tonho coçou a cabeça.
– E agora? Será que não vou poder levar os prêmios das crianças? Elas vão ficar tão tristes...
Fig. 3- Tonho resolveu examinar o caminhão. Abriu a tampa do motor, cutucou os fios e as peças... tudo parecia bem.
Depois examinou a bateria. Tudo bem! Depois o transformador. Nada! E assim foi examinando cada peça do caminhão.
Os colegas de Tonho que passavam por ele diziam:
– Esquece as crianças. Descarrega o caminhão e leva-o para a oficina.
– Não! Não vou desistir. Com paciência descobrirei o que está acontecendo – respondia Tonho.
As horas foram passando, mas Tonho não desanimava.
Fig. 4- Enquanto isso, sem saberem o que estava acontecendo, as crianças que aguardavam os prêmios já estavam desanimadas, pensando que eles não chegariam mais.
Uma das crianças até nem quis almoçar, tão aborrecida estava.
Junto ao caminhão, Tonho continuava tentando descobrir o que havia de errado.
De repente resolveu novamente levantar a tampa do motor e descobriu que um fio pequenino estava solto. Prendeu-o.
Tentou novamente ligar o motor do caminhão.
Fig. 5- Brom... brom... brom! Lá saiu o Juvenal, deslisando tranqüilo sobre suas rodas, carregando feliz os brinquedos e levando alegria para a meninada.
(colaboração de cléo de albuquerque mello).

Dialogar com as crianças a partir das seguintes questões:
– Por que o motorista Tonho se esforçou tanto para descobrir o defeito do caminhão?
– Tonho trabalhou calmo ou irritado?
– Tonho trabalhou com boa vontade?
– Que qualidade Tonho mostrou ter?
– Tonho cuida bem do caminhão que dirige?
– Então, que outra qualidade Tonho tem?
– Devemos cuidar bem das coisas que temos? Por quê?
– E das coisas dos outros?
– Como as crianças estavam se sentindo com a demora dos presentes?
– Por que uma criança nem quis almoçar?
– Vocês acham que ela fez bem em não almoçar?
– Que qualidade ela precisa desenvolver?
– O que as crianças devem ter sentido quando Tonho chegou com Juvenal carregado de brinquedos?














domingo, 25 de outubro de 2009

CRIANÇA, ESPÍRITO EM EVOLUÇÃO

Walter Oliveira Alves

Indo além das pesquisas da pedagogia tradicional e da psicologia educacional, a Doutrina Espírita nos revela, principalmente nos livros de André Luiz, o imenso trabalho do Mundo Espiritual na preparação de uma nova encarnação. Iluminando a pedagogia e a psicologia, a Doutrina Espírita nos revela que a criança é o Espírito que retorna, trazendo necessidades individuais e um programa de vida estabelecido durante sua preparação para reencarnar. Essencialmente, podemos afirmar que o Espírito se prepara tendo em vista suas necessidades básicas evolutivas, levando-se em conta:
• Sua bagagem evolutiva conquistada nos milênios anteriores, até o momento presente.
• O potencial futuro, passível de ser desenvolvido na próxima encarnação, a partir das conquistas atuais.
Da bagagem do passado, destacam-se as qualidades apreciáveis conquistadas pelo Espírito, bem como os defeitos, erros e viciações amealhadas em seu livre-arbítrio.
Todo o seu passado servirá de base para as conquistas futuras.
As conquistas anteriores, as tendências nobres, as qualidades superiores, servirão de ponto de partida para novas conquistas no campo intelectual e afetivo.
Temos, pois, na criança, um Espírito que reencarnou com um programa de vida, elaborado no Mundo Espiritual, que prevê as necessidades básicas evolutivas do reencarnante. É fácil perceber que as necessidades variam imensamente de Espírito para Espírito.
Cada espírito, pois, renasce no meio mais propício ao seu desenvolvimento interior, com um programa de vida traçado no Mundo Espiritual.
Isso não inclui a ação educativa em absolutamente nenhum caso. Por mais revel seja o Espírito, tenha ele renascido no antro mais profundo de inferioridade, abandonado pelos pais, nas piores condições, será ele o que mais necessitará da ação educativa, que fornecerá ao Espírito que reencarnou para evoluir, a energia e a força interior para vencer as provas necessárias ao seu aprimoramento. Por mais fundo tenha entrado nos liames da inferioridade, o Espírito recomeçará daí sua escalada evolutiva. A evolução é determinista. Variam as formas e os meios, mas todos os seres, filhos de Deus, evoluem incessantemente, alguns mais rapidamente, outros muito lentamente, conforme o próprio livre-arbítrio, mas todos caminham para frente e para cima, embora possa parecer aos olhos dos menos avisados que a Humanidade possa regredir.
Um dos grandes exemplos de fé na educação, nos deu Pestalozzi, quando, em Stans, na Suíça, arrebanhava as crianças abandonadas nas piores condições possíveis, albergando-as no orfanato que dirigia. A ação educativa de Pestalozzi, embasada no amor e na fé, reconduzia o Espírito aos canais superiores da evolução. Transformava crianças rebeldes em homens de bem. O educador sabe amar seu discípulo e ver nele o Espírito eterno, filho de Deus que renasceu para evoluir, seja qual seja a sua situação atual.
Em O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XI-9, encontramos o seguinte trecho esclarecedor:
"Os efeitos da lei de amor são o aperfeiçoamento moral da raça humana e a felicidade durante a vida terrestre. Os mais rebeldes e os mais viciosos deverão se reformar quando virem os benefícios produzidos por esta prática: Não façais aos outros o que não quereríeis que vos fosse feito, mas fazei-lhe, ao contrário, todo o bem que está em vosso poder fazer-lhes."
"Não creiais na esterilidade e no endurecimento do coração humano; ele cede, a seu malgrado, ao amor verdadeiro; é um imã ao qual não pode resistir, e o contato desse amor vivifica e fecunda os germes dessa virtude que está nos vossos corações em estado latente. A Terra, morada de prova e de exílio, será então purificada por esse fogo sagrado, e verá praticar a caridade, a humildade, a paciência, o devotamento, a abnegação, a resignação, o sacrifício, virtudes todas filhas do amor."
Do livro Educação do Espírito. Introdução à Pedagogia Espírita.
Criança, espírito em evolução
Walter Oliveira Alves
Indo além das pesquisas da pedagogia tradicional e da psicologia educacional, a Doutrina Espírita nos revela, principalmente nos livros de André Luiz, o imenso trabalho do Mundo Espiritual na preparação de uma nova encarnação. Iluminando a pedagogia e a psicologia, a Doutrina Espírita nos revela que a criança é o Espírito que retorna, trazendo necessidades individuais e um programa de vida estabelecido durante sua preparação para reencarnar. Essencialmente, podemos afirmar que o Espírito se prepara tendo em vista suas necessidades básicas evolutivas, levando-se em conta:
• Sua bagagem evolutiva conquistada nos milênios anteriores, até o momento presente.
• O potencial futuro, passível de ser desenvolvido na próxima encarnação, a partir das conquistas atuais.
Da bagagem do passado, destacam-se as qualidades apreciáveis conquistadas pelo Espírito, bem como os defeitos, erros e viciações amealhadas em seu livre-arbítrio.
Todo o seu passado servirá de base para as conquistas futuras.
As conquistas anteriores, as tendências nobres, as qualidades superiores, servirão de ponto de partida para novas conquistas no campo intelectual e afetivo.
Temos, pois, na criança, um Espírito que reencarnou com um programa de vida, elaborado no Mundo Espiritual, que prevê as necessidades básicas evolutivas do reencarnante. É fácil perceber que as necessidades variam imensamente de Espírito para Espírito.
Cada espírito, pois, renasce no meio mais propício ao seu desenvolvimento interior, com um programa de vida traçado no Mundo Espiritual.
Isso não inclui a ação educativa em absolutamente nenhum caso. Por mais revel seja o Espírito, tenha ele renascido no antro mais profundo de inferioridade, abandonado pelos pais, nas piores condições, será ele o que mais necessitará da ação educativa, que fornecerá ao Espírito que reencarnou para evoluir, a energia e a força interior para vencer as provas necessárias ao seu aprimoramento. Por mais fundo tenha entrado nos liames da inferioridade, o Espírito recomeçará daí sua escalada evolutiva. A evolução é determinista. Variam as formas e os meios, mas todos os seres, filhos de Deus, evoluem incessantemente, alguns mais rapidamente, outros muito lentamente, conforme o próprio livre-arbítrio, mas todos caminham para frente e para cima, embora possa parecer aos olhos dos menos avisados que a Humanidade possa regredir.
Um dos grandes exemplos de fé na educação, nos deu Pestalozzi, quando, em Stans, na Suíça, arrebanhava as crianças abandonadas nas piores condições possíveis, albergando-as no orfanato que dirigia. A ação educativa de Pestalozzi, embasada no amor e na fé, reconduzia o Espírito aos canais superiores da evolução. Transformava crianças rebeldes em homens de bem. O educador sabe amar seu discípulo e ver nele o Espírito eterno, filho de Deus que renasceu para evoluir, seja qual seja a sua situação atual.
Em O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XI-9, encontramos o seguinte trecho esclarecedor:
"Os efeitos da lei de amor são o aperfeiçoamento moral da raça humana e a felicidade durante a vida terrestre. Os mais rebeldes e os mais viciosos deverão se reformar quando virem os benefícios produzidos por esta prática: Não façais aos outros o que não quereríeis que vos fosse feito, mas fazei-lhe, ao contrário, todo o bem que está em vosso poder fazer-lhes."
"Não creiais na esterilidade e no endurecimento do coração humano; ele cede, a seu malgrado, ao amor verdadeiro; é um imã ao qual não pode resistir, e o contato desse amor vivifica e fecunda os germes dessa virtude que está nos vossos corações em estado latente. A Terra, morada de prova e de exílio, será então purificada por esse fogo sagrado, e verá praticar a caridade, a humildade, a paciência, o devotamento, a abnegação, a resignação, o sacrifício, virtudes todas filhas do amor."
Do livro Educação do Espírito. Introdução à Pedagogia Espírita.

A IMPORTÂNCIA DA EVANGELIZAÇÃO

Rosana Verzignassi
Como é de conhecimento de todos nós, a criança tem um papel muito importante no futuro da humanidade. Esta realidade nos faz pensar e analisar o quanto foi feito e ainda há por fazer. E nós já demos os primeiros passos. Vemos que várias crianças estão preocupadas com este futuro; e estão conscientes que este mundo será para elas, tornam-se preocupadas com justiça, solidariedade, ecologia, etc.
Vários segmentos religiosos se preocupam com este futuro. Para nós, no Espiritismo, não poderia ser diferente.
Não conhecemos a vida só do berço ao túmulo, mas sabemos que nossos espíritos não tem a idade do nosso corpo, mas sim séculos e séculos, portanto, se o nosso espírito é milenar, o de nossas crianças também. Aprendemos entre tantas coisas nesta Doutrina maravilhosa, que a cada existência vamos adquirindo mais conhecimentos e experiências; não regredimos, podemos estacionar, mas regredir, jamais.
"O Livro dos Espíritos" explica que a infância é um período em que o espírito se torna maleável, mais fácil de adquirir virtudes, recebe melhor o conselho dos pais. Fala-nos também da grande responsabilidade dos pais na educação dos filhos, dando-nos até um consolo: se tudo fazemos e ensinamos aos nossos filhos e eles não fizeram bom uso de nossos conselhos, a vida se encarregará de lhes mostrar o caminho, muita vezes, pela dor.
Jesus nos disse "A quem muito se deu muito será pedido". Quando ouvimos isso, trememos: O que será que Ele vai nos pedir? Nada do que não possamos oferecer; ora, se acreditamos no Espiritismo, se recebemos tanto dele, por que não oferecer esta dádiva às nossas crianças, fazendo com que desde pequenas conhecam um Deus que é amor; não um tirano que nos castiga e nos manda pro inferno, ensinando-lhes que amando seus semelhantes e a natureza, é amar e respeitar a Deus, e a partir dessa base será fácil encaminhar os outros assuntos que virão vida afora.
Richard Simonetti, no livro "A Constituição Divina", nos diz que a Evangelização Espírita tem condições de mudar certas atitudes nas crianças, para que mais tarde não entrem no vício, mas, essa mudança não é porque obrigamos a isso ou aquilo, ou que se não fizerem pagarão caro por isso, mas porque ela nos dá conhecimento das leis naturais e assim, conhecendo-as, conhecerão naturalmente as conseqüências.
Geralmente queremos resultados rápidos de tudo o que fazemos na vida, mas ás vezes, os resultados são lentos, contudo duradouros. Vejamos por exemplo, um caso de um curso japonês para se aperfeiçoar em matérias escolares. Ele não tem um tempo certo para terminar, respeita a individualidade de cada criança; não terá uma festa de formatura, mas os conhecimentos adquiridos ao longo do curso são duradouros (fixam no cérebro para sempre). Assim é a nossa Evangelização; os resultados vão aparecendo aos poucos e ficarão para a vida toda.
"O QUE UMA CRIANÇA NÃO RECEBE, ELA RARAMENTE PODERÁ OFERECER MAIS TARDE''
P.D. James (Riders Digest)

sábado, 24 de outubro de 2009

OS AMIGOS INVISÍVEIS

Fig. 1- Paulo e Sílvia eram vizinhos e amigos.
Gostavam de brincar no quintal da casa da Silvia, fazendo túneis e lindos castelos na areia.
Paulo e Sílvia tinham um segredo: de vez em quando conversavam com dois amigos invisíveis, um moço e uma moça.
Fig. 2- Esses amigos eram invisíveis só para os outros, mas não para Paulo e Sílvia, com quem eles conversavam alegremente.
Fig. 3- Um dia Paulo deitou-se para dormir e, pouco depois, sentiu que subia, atravessava o teto e flutuava como um balão de gás.
Olhou para baixo e viu seu corpo na cama.
Pensou: “Ué! Como posso estar aqui e lá na cama?”
Paulo desejou estar com Sílvia naquele momento.
Mal pensou, viu-se no quarto da amiga, que também dormia na sua caminha.
Fig. 4- Paulo segurou-a pela mão e o mesmo aconteceu: Silvia subiu, atravessou o teto, também flutuando como um balão e, em pouco tempo, os dois voavam juntos enquanto seus corpos ficavam na cama.
Fig. 5- Mas eles não estavam sós. Os amigos invisíveis estavam com eles e os levaram para visitar um lugar com lindos jardins, onde brincaram muito. Em certo momento, a moça mostrou as estrelas que brilhavam no céu e falou:
– Deus criou aqueles e outros mundos. Ele está neles; também está no nosso mundo e dentro de cada um de nós.
Os meninos acharam estranho Deus estar dentro de nós, mas sabiam que aqueles amigos nunca mentiam. Eles disseram mais:
– Cada um de nós nasceu para ser bom e ajudar o mundo em que vive. Só que Deus deixa cada um escolher o modo de ajudar. Mas uma coisa acontece sempre: quem faz o bem, atrai amigos bondosos que o protegem.
– São amigos invisíveis como vocês? Perguntou Paulo.
– Sim, porque são Espíritos, sem um corpo igual ao de vocês.
– E quem não quer ser bom? Perguntou Sílvia.
– Esses atraem Espíritos que também não são bondosos e que até trazem perturbação.
As crianças ouviram com atenção e gostariam de continuar a conversar, mas foram avisadas que já era hora de voltar. A jovem amiga ainda falou:
– Quando vocês acordarem lembrarão do nosso encontro como um sonho bom. Vão se sentir tranqüilos e felizes. Lembrem-se de que não devem brigar nem ofender ninguém para que possamos continuar juntos.
Todos abraçaram-se com amor. As crianças voltaram para seus quartos e, logo depois, acordaram. Sentiam-se felizes lembrando, como num sonho, do bonito passeio que deram com os amigos invisíveis.
(inspirado no enredo do livro “a revelação do segredo”, de elizabeth kübler-ross, ed. record.)
















O SERMÃO DA MONTANHA

SEARA BENDITA - INSTITUIÇÃO ESPÍRITA

GRUPO AUGUSTO CÉZAR NETTO

Faixa Etária: 09 a 14 anos


BEM-AVENTURADOS OS MANSOS E OS PACÍFICOS




OBJETIVO:

Levar as crianças ao entendimento do significado de "Bem Aventurados os Mansos e Pacíficos" e aplicá-lo no seu dia a dia.



SUBSÍDIOS:

Este tema exige do evangelizador um trabalho de pesquisa mais aprofundado. Esta aula é apenas uma sugestão.

- Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec - Cap. IX

- Parábolas e Ensinos de Jesus - Cairbar Schutel

- Evangelho da Meninada - Eliseu Rigonatti



MOTIVAÇÃO:

Mostrar uma figura de Jesus, falando de forma bem sucinta sobre sua vida (nascimento, infância, missão).



DESENVOLVIMENTO:

Falar sobre o Sermão da Montanha de uma forma bem simples. Exemplo:



Jesus costumava fazer suas pregações ao ar livre, em locais onde havia bastante espaço para as multidões que queriam ouvi-lo. Em uma dessas pregações, chamada de "Sermão da Montanha", Jesus disse:



"Bem-aventurados os pobres de espírito porque é deles o reino dos céus;

Bem-aventurados os mansos porque eles possuirão a Terra;

Bem-aventurados os que choram porque serão consolados;

Bem aventurados os que têm fome de sede e de justiça, porque serão fartos;

Bem-aventurados os que têm coração puro, pois verão a Deus;

Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus"



Jesus chamou de bem-aventurados, isto é, chamou de felizes, aqueles que eram mansos e pacíficos. Como falou que seremos felizes se formos mansos e se formos pacíficos, é bom entender direitinho o que isso significa. Ser manso e pacífico é ser paciente com todas as pessoas e em todas as situações, é não se deixar irritar por qualquer motivo. Não se importar se alguém falou isto ou aquilo a nosso respeito ou pegou sem pedir alguma coisa nossa. Se nós temos que aprender muitas coisas para nos tornarmos melhores, pessoas realmente boas, também as pessoas que estão a nossa volta precisam aprender muito. Somos todos imperfeitos e portanto, devemos perdoar um ao outro. Se começarmos a tratar o outro de uma forma melhor, mais educada, esta pessoa passará a gostar mais da gente e nos tratará também melhor. Daí, seremos verdadeiros amigos e conseguiremos viver melhor em comunidade.

Muitas pessoas não admitem serem passadas para trás, querem sempre levar vantagem em tudo. Para defenderem aquilo que elas acham certo ou aquilo que elas querem, acabam se enervando muito, brigando muito e se metendo em encrencas. A vida não pode ser sempre do jeito que eu quero, ou do jeito que você ou ele quer. Cada um tem um pensamento e, portanto cada um quer uma coisa diferente do outro. Um dia será como a gente quer e o outro não. Assim todos ficam contentes e não brigam entre si, ficam amigos. Devemos sempre lembrar que o outro também tem sua vontade e os seus direitos, daí então seremos mansos e pacíficos como Jesus nos ensinou. E, como tudo aquilo que Ele nos ensina é para o nosso bem, seremos felizes atendendo o seu mandamento e também contribuiremos para a felicidade do mundo em que vivemos.



AVALIAÇÃO:

Concurso de Perguntas e Respostas. Dividir a classe em grupos, premiando a equipe vencedora:



01) O que significa bem-aventurados?

02) Como se chama a lição de Jesus que aprendemos hoje?

03) Por que o nome "Sermão da Montanha"?

04) A quem Jesus ensinava?

05) Onde encontramos escrito o Sermão da Montanha?

06) O que é ser manso e pacífico?

07) É possível que todo o dia seja do jeitinho que a gente quer? Por quê?

08) Devemos ficar bravos quando as coisas não são do jeito que a gente quer? Por quê?

09) O que as pessoas sentem quando ficam muito bravas? Elas se sentem bem?

10) O que devo fazer para que uma pessoa goste de mim?

11) Por que você deve perdoar alguém que lhe faz alguma coisa de que você não gosta?

12) Como devo falar com todas as pessoas, principalmente como nossos pais, irmãos, familiares, amigos e professores?

13) Como devo encarar as dificuldades da vida? Exemplo: pais desempregados, falta de dinheiro ou doenças.

14) Quando devo ficar nervoso e brigar?

15) O que é ser manso e pacífico em nossa casa, com nossa família?

16) O que é ser manso e pacífico conosco mesmo?

17) O que é ser manso e pacífico em nossa escola?

18) O que ser manso e pacífico em nossa comunidade?

19) O que significa a frase "Bem-Aventurados os mansos porque eles possuirão a Terra"?

20) O que significa a frase "Bem-Aventurados os pacíficos porque serão chamados Filhos de Deus?



FIXAÇÃO:

Dramatização de situações onde as crianças possam estar treinando a serem mansas e pacíficas. Exemplo: perdoando uma ofensa, desculpando quando alguém pegar um objeto sem pedir, respeitando colegas de classe, etc.

PARÁBOLA DO FARISEU E DO PUBLICANO

Rodolfo Calligaris

"Propôs Jesus esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, como se fossem justos, e desprezavam os outros. Subiram dois homens ao templo para orar: - um fariseu, e outro publicano. O fariseu orava de pé, e dizia assim: Graças te dou, ó meu Deus, por não ser como os outros homens, que são ladrões, injustos e adúlteros. E não ser também como é aquele publicano. Eu, por mim, jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de tudo quanto possuo. Apartado a um canto, o publicano nem sequer ousava erguer os olhos para o céu; batia no peito, e exclamava: Meus Deus apiedai-vos de mim, pecador. Digo-vos, acrescentou Jesus, que este voltou justificado para sua casa, e o outro não, porque todo aquele que se exalta será humilhado, e todo aquele que se humilha será exaltado." (Lucas, 18:9-14).